Deixem o vosso e-mail para receber notificações de novos artigos...e ganhar brindes

terça-feira, 1 de maio de 2012

NEAR DEATH



Não tenho andado a ler muitos comics ultimamente. Entre a minha (palpitante) espera pelo próximo volume de Fables, a minha desilusão com Gantz, a procura dos volumes que me faltam de Y:The Last Man e umas voltas trocadas por 100 Bullets, foi este Near Death que me voltou a meter em linha.

Compra por impulso, atraído pelo preço muito acessível e pelas criticas positivas da praxe na contracapa, lá trouxe o primeiro volume de Near Death para casa. Curiosamente, o primeiro comic da Image que comprei até hoje.*

A premissa é bem interessante e original, embora simples. Um hitman profissional confronta-se com uma experiência de quase-morte e nesse momento "viaja" até ao seu inferno, onde vê todas as suas vítimas passadas. A visão atormenta-o, e a partir daí decide que não quer acabar nesse inferno quando morrer, e para isso irá abandonar o seu trabalho de assassino a contrato e concentrar os seus esforços a salvar vidas. Repor o karma, basicamente. O que não é tão básico são todas as encruzilhadas de ambiguidade moral com que o protagonista se depara ao tentar levar a cabo a sua nova missão de "santo" - que aqui não conto pormenores para não spoilar - e que nos introduzem num mundo de crime noir bem escrito e imprevisível quanto baste.

O primeiro volume de Near Death é composto por cinco capítulos que formam um arco narrativo com princípio, meio e fim. Deixando ainda assim muitas pontas soltas por explorar no futuro (e que certamente serão exploradas). São introduzidos aqueles que deverão ser os principais peões da narrativa nos volumes que se seguirão e fica-se com uma boa ideia do que esperar do comic.

Eu gostei. Não é nada de outro mundo, nem algo que me faça suar enquanto espero pela continuação, mas a simplicidade e eficácia da premissa principal tem sem dúvida um certo encanto repleto de potencial. O protagonista acaba este primeiro volume como uma personagem tão cinzenta e secretiva que no fim de contas não se consegue perceber se compreendemos claramente as suas intenções, ou se é um perfeito estranho. A minha intenção no entanto é clara: seguir atentamente esta nova série.


*Esqueci-me de Chew, que gosto muito e já leio há algum tempo. Também é da Image.

Sem comentários: