Deixem o vosso e-mail para receber notificações de novos artigos...e ganhar brindes

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Gears of War 3



Termina fraquinha uma das mais influentes e importantes sagas desta geração de consolas.

Foi este o sentimento com que finalizei Gears of War 3, depois de várias horas a completar um jogo linear, repetitivo, com uma história desinteressante e muito mal contada, e que mesmo nos momentos mais espectaculares não consegue surpreender nem ser realmente muito entusiasmante.

As mecânicas de jogo continuam tão sólidas como sempre foram, e tecnicamente continua a ser uma das peças mais impressionantes da actualidade (embora já o seja desde o primeiro titulo, de 2006. O que comprova o quão optimizado já estava o Unreal Engine 3 nessa altura...). No fundo não há nada de substancialmente errado com Gears 3, e é no geral um jogo impecável, verdadeira montra (e monstra) tecnológica e supremo representante do que é um chamado jogo "AAA" com os mais elevados valores de produção. Mas......no fim de contas, é "apenas" mais do mesmo. Apenas um final necessário para um trilogia que apesar do grande sucesso comercial, nunca conseguiu criar o carisma nem o culto de Halo (por exemplo), e serviu sempre mais como um nome para uma excelente experiência videojogavel (dum ponto de vista de jogabilidade "core") do que para uma entidade com a qual nos possamos realmente identificar e aproximar. Ou seja, eu não vou ter saudades de Gears of War, apesar de gostar muito dos jogos. Espero apenas que a Epic Games (ou outro estúdio qualquer) consiga implementar o que desenvolveu e aprendeu com Gears em novos produtos no futuro. Isso é o mais importante.

Gears of War 3 é uma experiência que não deixa grandes memórias (falo apenas do singleplayer), e que quanto a mim não consegue sequer ser melhor que Gears 2 (esse sim o melhor da saga, para mim). Não me interpretem mal: eu gostei de Gears 3! É dificil apontar-lhe falhas, de tão bem trabalhado que tudo está. O problema é que tudo está envolto numa flagrante redundância face aos dois anteriores títulos da série, e sem uma nova gimmick ou um sedutor boost gráfico para dar ar à coisa, torna-se difícil encarar este Gears of War 3 sem uma postura de "Ok, whatever...". Mesmo tendo gostado bastante, e tendo devorado a campanha principal do principio ao fim quase sem parar.


PS: E claro, há aqui imenso espaço para prequelas (à lá Halo Reach), pegando nos acontecimentos do E-Day e por aí fora. A primeira não deverá tardar a se fazer anunciar prevejo. Provavelmente como um titulo de lançamento da próxima geração...

Sem comentários: