Deixem o vosso e-mail para receber notificações de novos artigos...e ganhar brindes

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Bayonetta



Dado o potencial gráfico/visual/artistico de Bayonetta (para a imagem do artigo), nao poderia de maneira nenhuma deixar de mencionar o titulo aqui no blogas, mesmo que num curtissimo e não muito desenvolvido comentário. Até porque, o concluí muito recentemente (já era tempo! Andei demasiado tempo a adiar a sua aquisição).

Primeiro tenho que dizer que é bom que continuem a surgir obras assim tão livres, criativas e descomplexadas como este Bayonetta. Já há muito tempo que me fartei dos RPGs japoneses e de todo o repetitivo (ad nauseam devo dizer, imo) e desinspirado estilo visual anime que sempre os acompanha (e jogabilidade e mecanicas tambem). E por causa disso, umas vezes meio no gozo e outras um bocado mais a sério, tendo a generalizar e dizer que já tou farto de todo o tipo de trabalhos saídos de mãos japonesas. Mas isso sou eu a generalizar e a ser um bocado pseudo tambem, porque no fundo, eu continuo a ser um ENORME entusiasta da faceta mais criativa, nonsense, mindfuck e fantasiosa dos criadores nipónicos. Isto porque no meio de tanta loucura, conseguem (melhor do que ninguem) criar universos e temas que se apresentam com total coerencia e solidez, como é o caso deste Bayonetta, onde além de introduzirem um estilo visual e gráfico inspirado e original, misturam também com sucesso uma genial banda sonora com temáticas maduras, comédia e drama num total que tanto pode ser apreciado pela pessoa mais retardada do mundo como pelo técnofilo mais elitista e sofisticado. E é esta faceta que eu apoio e celebro incondicionalmente sempre que alguem ainda corre o risco de investir e lançar para o mercado algo como este Bayonetta. É cada vez mais raro, e talvez por isso, saiba cada vez melhor cada vez que acontece...

De resto...devo dizer que por um lado, odeio Devil May Cry. Nunca gostei, nunca apreciei, sempre achei a série aborrecidissima e desinteressante (a todos os niveis). Por outro lado, ADORO (isto é quase um eufemismo, atenção) os mais recentes Ninja Gaiden. Digo isto porque Bayonetta foi produzido por algum do pessoal que fez Devil May Cry e é um titulo que se insere, sem sombras de duvidas, no mesmo género do de Ninja Gaiden. Portanto as comparações, embora mais ou menos pertinentes e/ou relevantes, surgem inevitavelmente. Neste sentido, continuo a preferir Ninja Gaiden no que diz respeito ao nucleo da jogabilidade e sistema de combate. Não necessariamente por NG ser mais profundo, complexo ou desenvolvido, mas quanto a mim é ainda o titulo que possui o combate mais refinado, equilibrado (nao me refiro á dificuldade) e sofisticado. Ainda assim, Bayonetta é incrivelmente divertido e viciante a baldes largos, o que associado a todo o seu vómito (no bom sentido...de mistura isto é) de estilo e loucura sensorial o tornam num titulo igualmente obrigatório e que toda a gente deveria experimentar (até porque é muito acessível no que toca á dificuldade) desde o fantástico inicio até ao fabuloso final (e que fabuloso que é...).

Num aparte, que está relacionado com tudo isto, vejo-me tambem obrigado a referir Ninja Blade. Ninja Blade é outro titulo do género que já saiu ha uns anos e que foi terrivelmente menosprezado pela imprensa especializada. É tambem um titulo que eu adoro e que considero como um dos melhores desta geração, e portanto um dos mais underrated da mesma. Eu apenas aqui refiro Ninja Blade agora porque, infelizmente, não o fiz quando o terminei (n'altura por alguma razao nao me apeteceu escrever, e depois o tempo foi passando, e com ele a janela de oportunidade) e sempre fiquei com aquela pedra na garganta por não se fazer a devida justiça a tão brilhante obra. Quanto a mim não fica a dever muito a Bayonetta, tanto a nivel de jogabilidade (ok talvez aí fique um bocado mais, mas ainda assim é muito bom e refrescante tambem), como de valores de produção (é incrivel e insanamente épico lá pró seu final!Garanto!) e nas próprias tais tématicas insanas e loucas que os japoneses tão bem conseguem consolidar em algo de coerente e com muito sentido próprio. Ou seja, o que eu quero dizer é que se forem fãs de Bayonetta, Ninja Gaide, e porque não, Devil May Cry, então ignorem a maioria das reviews e dêem uma boa oportunidade a Ninja Blade. Um verdadeiro clássico incompreendido pela minoria pseudo que escreve sobre esta industria, e que consequentemente passou despercebido á maioria do seu mercado. Uma verdadeira infelicidade. Não tão grande como o Tsunami de 2004 ou o naufrágio do Titanic...mas ainda assim, uma infelicidade.


PS: Repare-se que eu escrevi tudo isto sem nunca mencionar a palavra "jogo" ou "videojogo". E esta, hein?
PS(2): Caraças este é um daqueles casos em que há demasiadas boas imagens pra escolher. Acabei por optar por uma das mais simples.
 PS(3): Quero só deixar mais uma vez claro (já aqui referi isso umas vezes, mais ou menos explicitamente), que quando eu escrevo sobre um filme, ou um videojogo, ou musica, ou serie de tv ou seja o que for do género, eu não estou a escrever uma critica (review) nem uma análise. Eu escrevo é comentários, a minha opinião. Existem grandes diferenças entre escrever um comentario pessoal e uma critica, sendo a principal que escrever criticas é estupido e inutil, a não ser que seja pago pra isso.

Sem comentários: