Deixem o vosso e-mail para receber notificações de novos artigos...e ganhar brindes

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Generation Kill

Gosto de (bons) filmes e series de guerra com um caracter mais orientado pró realismo. Nao suporto portanto Band of Brothers e achei The Pacific bastante coninhas, embora até fosse bom entretenimento. O Resgate do Soldado Ryan? Ya, vê-se, é bom entretenimento suponho, mas tambem é extremamente coninhas, e pessoalmente abomino a influencia e o legado que esse filme (o seu estilo) deixou pró futuro, não só na Sétima Arte, mas tambem na dos videojogos, seja ela qual for (o numero da arte...do videojogos, entenda-se)...
Ainda estou á espera de um verdadeiro bom filme da Segunda Guerra Mundial que mostre bem a violencia, o massacre, o deboche bélico, e todo o rock'n'roll tal como era n'altura. E por favor, sem bandas sonoras orquestrais, que eu até vomito cada vez que vejo uma cena que inclua uma M1 Garand e a banda filarmonica de Bucareste (or some shit) a tocar em fundo!

Passando ao que interessa...
Generation Kill tambem tem as previsiveis cenas mais dramáticas puxadas a ferros em que os soldados americanos matam criancinhas e mulheres ou por acidente, ou por pura parvoice e se espera que o espectador fique comovido. E sim, tambem estão presentes as tipicas personagens caricaturais onde nao falta o retardado redneck com instinto assassino descontrolado que só quer encher de balas caes, camelos, e se lhe surgir a oportunidade, pessoas. E sim, quem vê Generation Kill tambem fica com ganas de se ir alistar na guerra mais próxima porque aquilo no fundo até parece ter um lado bem divertido e complementador pró nosso humanismo pessoal.
Mas apesar de tudo isto (e tambem por sua causa), Generation Kill é uma excelente mini série de sete episodios sobre a invasão do Iraque. Isto basicamente, e quanto a mim, porque nao é coninhas! Nao se tenta auto-pavonear e nao recorre a sensacionalismos (muito) faceis, irritantes e todos emos. Nao há cá cenas de explosoes em camera-lenta nem do soldado que executa alguma acçao heroica com Vangelis a tocar por trás enquanto sai de uma casa a arder carregando um miudo ensanguentado ao colo e uma cabra coxa ás costas. Generation Kill é cru, rijo, duro, e muito divertido! E é assim que eu gosto, goddammit!

4 comentários:

Kotoko disse...

Ola :) estás em Linguas e Culturas Orientais? ^^

Leinad disse...

Olá.
Ja fui aluno no curso há alguns anos, mas nao actualmente.

Kotoko disse...

Fizeste a licenciatura?
E o que achaste do curso?

Leinad disse...

Se procuras uma apreciaçao geral do curso, quanto a mim o melhor a fazeres é ir ao blog do curso (tá aqui no blog na lista de links ao lado) e/ou ao grupo de curso no Facebook e iniciares algum tipo de discussao. Como eu nao te conheço e tu nao me conheces (suponho eu), a minha opiniao pessoal e isolada torna-se totalmente irrelevante, parece-me. E a ultima coisa que eu quero é influenciar erradamente alguem com os meus pontos de vista.

Obrigado por passares aqui pelo blog, e boa sorte ;)