Deixem o vosso e-mail para receber notificações de novos artigos...e ganhar brindes

terça-feira, 1 de junho de 2010

Alan Wake



Já acabei o jogo faz uma semana ou mais, e desde entao que tenho querido escrever algo (sobre ele), mas tem-me passado pelas razoes do costume: procrastinação. Mas hoje veio-me um surto, daqueles que obriga a escrever...cenas que nao interessam a ninguem quando provavelmente (read: certamente) deveria estar a tratar de coisas bem mais importantes prá minha vida. Mas pronto, cá vai entao a opinião...aquela que os fãs anseiam e todos os padres receiam! 

O mundo dos videojogos é um meio repleto de promessas, de potencial por alcançar, de barreiras que a cada ano que passa ficam mais perto de serem alcançadas e ultrapassadas. Mas é ao fim ao cabo, e por imposiçao do seu caracter de constante evoluçao tecnica, um mundo ainda de promessas e potencial que aguarda ainda o seu longínquo pico de maturidade.
Promete-se "o jogo que irá revolucionar o genero", "um jogo como nunca antes visto", um jogo com uma historia realmente boa e interessante...mas mais vezes que poucas, tudo isso nao passam de promessas mais ou menos vazias, que poderão resultar em jogos que sao bons e/ou muito bons mas sempre no contexto dos videojogos - "Surpreende...pra um jogo", "A história é boa...pra um jogo" (qué como quem diz, "Se fosse um filme seria uma chungaria, um directo pra DVD").

Estou no entanto disposto a dizer que o panorama finalmente mudou com o recente Alan Wake. Nao é que seja o melhor jogo de sempre, e muito depende da forma como se encara o jogo, mas quanto a mim, e pela primeira vez na minha experiencia como jogador, é um titulo que cumpre totalmente com as suas promessas e potencial. A Remedy prometeu um thriller psicologico de acçao com escrita inteligente e valores de produçao superiores, e foi isso mesmo que recebemos! Nao um jogo de tiros com background de thriller ou inspirado em thrillers, nao, nada disso! Alan Wake é verdadeiramente um thriller a titulo pleno! Não é um jogo com laivos de thriller, mas sim um thriller que por acaso foi idealizado e produzido por gajos que andam metidos nas cenas dos videojogos.
É portanto necessaria uma entrega total por parte do jogador para poder assimilar toda a qualidade de Alan Wake. É necessario que o jogador deixe de se encarar como um jogador e mais como um apreciador de arte interactiva de qualidade. Quaisquer tentativas de analisar o produto segundo a sua jogabilidade, graficos, longevidade, etc, é pura parvoice, sinais de infantilidade diria eu até, muito sinceramente. Este é um jogo que vive da sua historia (já decidi que nao irei mais utilizar o termo "estoria" porque me faz lembrar a cadeia de hoteis) e da sua fenomenal escrita! Nao hajam enganos, o que Alan Wake tem para nos oferecer em nada fica a dever a qualquer grande produçao televisiva, literaria ou cinematografica. E se as suas referencias retiradas de todas essas áreas sao por demais obvias e assumidas, isso de maneira nenhuma reduz o valor da obra ou a torna menos capaz e integra.
Deverei entao aqui falar sobre a historia e o que faz dela tao boa? Nao, e mais ou menos. A historia fica pra ser descoberta por quem ainda nao jogou, mas o que faz dela tao boa, ou melhor, o que faz do jogo tao bom, é a forma como este está produzido, escrito e editado. Historias boas há aos pontapés e qualquer um pode inventar uma (querem ver? Cá vai: Um homem chamado Gabriel caminhava no deserto Sahara ali perto do Paquistao quando subitamente viu um brilho no ceu! Exclamou, "Per Dios mio! Pero eu pensava qui tava en el Chile eh no na Argelia! Pero que puta madre de indicacion es esta en la calha?! Islamabad?! Ai Caramba! Istou en el Sahara pero en realidade no lo estou de verdah". My God, it´s full os Stars! Fim.), e para isso nada melhor que o recente Heavy Rain de que tambem aqui falei. A historia é cheia de potencial, mas é colada num jogo mal editado e com uma apresentaçao banal e inteligencia que insulta um espectador de telenovela brasileira. Nao que Alan Wake seja uma obra arrogante, presunçosa e ostentativa (muito pelo contrario), mas foi feita em condiçoes! Houve cabecinhas certas em acçao por trás e o que temos é um autentico mind-fuck sem o ser realmente. Uma obra tao aparentemente confusa e desestruturada que brilha pela coerencia e coesao que apresenta e consegue manter do principio ao fim! É um daqueles titulos que nos agarram desde o primeiro instante e que nao conseguimos largar até ao seu glorioso final. E oh...que glorioso final esse. Eu por acaso sou um gajo muito facil de encantar no que toca a finais (de filmes e jogos): deem-me uma conclusao subita e repentina aberta a varias interpretaçoes (ou tipo), e enfiem imediatamente uma musica épica que me arrepie os pelos da nuca e eu fico rendido! E nestes aspectos, Alan Wake quase que me enfiou um chupa na boca e ficou a ver-me babar de emoçao...
Mas nao é só o final que é excelente...é tudo! Do principio ao fim! Enfim, o meu vocabulario é parco (sou parolito, sorry) e a minha criatividade de escrita descritiva pra algo que é bom começa precisamente no "bom" e acaba no "excelente", passando normalmente por alguns "muito bom", "espectacular" e "fabuloso" quando quero dar uma pinta mais gay. Portanto em relaçao á historia e tal nao me vou estar a repetir mais. Joguem, e adorem! E se nao adorarem...é porque sao cromos. É essa a verdade...acho eu.

Ah, e os graficos, jogabilidade e tal...só por acaso, tambem está tudo top-notch! Em relaçao aos gráficos, os parabens vao sobretudo para o sucesso no ambiente criado. Os bosques sao os mais realistas, imersivos e arrepiantes de sempre num videojogo, e os efeitos de luz, embora nao particularmente realistas per se, nao poderiam ser mais perfeitos para a ambiencia pretendida. Tecnicamente falha em alguns aspectos, em particular nas expressoes faciais das personagens que por vezes (mas nao sempre) sao muito pouco convincentes e mesmo feias. Mas no geral é um jogo tecnicamente muito bem conseguido.
Este é um jogo da Remedy (Max Payne e Max Payne 2) e se ha algo que eles sabem fazer é cenas viciantes, e o combate de Alan Wake nao varia. Embora muito repetitivo (quase todos os confrontos sao basicamente sempre a mesma coisa) está muito bem conseguido. A jogabilidade tem aquele "factor X" que nem sempre se consegue explicar mas se sente, sem sombra de duvida. Os confrontos com os inimigos têm aquele feeling que quando terminados nos deixam a desejar mais, e nao com o habitual sentimento de alivio que jogos que se querem assustadores têm (talvez isto possa ser apontado como um problema do jogo, mas eu pelo menos prefiro assim). Os inimigos sao inteligentes, e nao perdem oportunidade para nos flanquear e atingir pelas costas enquanto outros mais afastados vao "disparando" machados e outras armas brancas na nossa direcçao. Boa IA portanto, o que na minha opiniao é sempre um factor muito positivo (e uma das razoes porque continuo a gostar de Halo btw, que toda a gente esquece que ainda mantem uma das melhores IAs da industria).

Falando mais especificamente sobre a produçao e apresentaçao de Alan Wake, e para além de ja ter deixado mais ou menos claro que todo o jogo está perfeitamente estruturado e editado, convem ainda referir a sublime banda sonora. Uma das melhores selecçoes que já se viram num jogo, contando com nomes de altissimo gabarito como Roy Orbison, David Bowie, e até a inclusao de uma faixa de uma banda portuguesa, os Dead Combo. E mais uma vez, a mestria está sobretudo na forma como a banda sonora é utilizada e nao apenas na sua inclusao só porque sim. Seja no final de capa episodio que constitui o jogo (é dividido por episodios como se de um programa de TV se tratasse, incluindo até um "previously on Alan Wake" no inicio de cada um. Aspecto que, surpreendentemente, até funcionou muito bem, ao contrario das minhas expectativas), como nalguns momentos bem contextualizados do jogo.

A boa contextualizaçao é alias outro dos pontos fortes do jogo e algo que em muito reenforça a imersão do jogador na acçao já que o protagonista tem sempre noçao da estranhesa dos acontecimentos que se desenrolam á sua volta e inclusive questiona-se sobre a aparentemente aleatoria (ou nao) disposiçao de muniçoes e armas espalhadas pelo jogo.
Ou seja, o jogo nao insulta a inteligência do jogador, o que é algo extremamente raro (inedito?) num titulo que se auto-proclama como sendo maduro e pra um publico adulto. Eu nenhum momento (que me lembre) me questionei sobre as acçoes e/ou motivaçoes do protagonista. Tudo faz sentido (apesar de por vezes nada fazer sentido) e nao nos sentimos puxados por um level design e escrita manhosos. Nao ha aquele sentimento á lá Bioshock (1) do tipo "ok, é obvio que este gajo tem uma agenda secreta e nao está a ser muito sincero comigo, mas pronto, tenho de seguir em frente..." e cenas do genero. Alan Wake funciona realmente! É prodigioso!

Para terminar, devo dizer que talvez o maior marco e afirmaçao de Alan Wake é que comprova que a jogabilidade nao é o aspecto mais importante de um videojogo. Finalmente o meio atingiu um tal nivel de qualidade em que se pode apreciar uma obra sem se gostar necessariamente das mecanicas utilizadas para progredir na acçao. Sim, muitos outros titulos do passado (recente e longínquo) tambem sao exemplo disso, mas parece-me que Alan Wake conseguiu subir pra um patamar ainda mais elevado nesse aspecto que o separa e eleva á parte de qualquer coisa feita anteriormente. Mas tal como eu já disse, "por acaso" em Alan Wake a jogabilidade e tudo o resto tambem estao excelentes, portanto, é win win em todos os lados!
Sem duvida um dos melhores jogos que já experimentei na minha vida enquanto jogador. E tendo em conta que eu consegui saltar por cima da bandeira no Super Mario Bros quando tinha prái 5 anos, entao percebe-se realmente o nivel de hardcodorismo que percorre estas veias (lol...mas a serio, consegui mesmo quando era puto).

2 comentários:

Mingos disse...

depois de ler este texto fiquei com uma vontade incontrolavel de comprar uma 360 só para jogar este jogo. vontade essa só "controlada" pela ausencia de € a que possa chamar de MEUS...:( mas hei-de vir a jogar este jogo. podes ter a certeza.


PS: LEINAD VOLTA AO LG!!!!!

Leinad disse...

Nunca voltarei ao LG. Quando me comprometo a algo, normalmente cumpro. Além disso, actualmente nao tenho interesse em foruns em geral.

Btw, quanto ao desejo de jogar o jogo, nao te deixes influenciar muito pela minha opiniao, que é apenas e só a minha opiniao pessoal. Nao quero levantar as expectativas de ninguem com o que escrevo lol, senao depois ainda dá pro torto lol