Deixem o vosso e-mail para receber notificações de novos artigos...e ganhar brindes

terça-feira, 28 de agosto de 2007

A menina dos phones


Nestes últimos dois dias assisti, sempre com um ar confuso, à noticia de uma jovem que morreu atropelada por um comboio enquanto "passeava" na linha...de comboio.

Ora a jovem, segundo os grandes profissionais do jornalismo televisivo portugues, terá morrido porque estaria a ouvir música através de uns phones (auscultadores, pronto). Musica essa, que por estar num volume elevado, terá impedido a jovem de ouvir os inumeros avisos sonoros vindos do comboio que seguia a alta velocidade, acabando por levar a vida da jovem consigo.

Sempre que vi/ouvi a noticia, os jornalistas insistiam que a causa definitiva do acidente terá mesmo sido a incapacidade da jovem para ouvir os apitos do comboio, já que o som dos phones era tão elevado.
Tipo, serei eu o unico a achar que a causa do "acidente" poderá ter sido outra?!

Eu próprio ando frequentemente de comboio, e faço-o sempre acompanhado do meu leitor de mp3, fazendo assim as viagens passarem mais depressa ao som das "minhas" musicas. E por faze-lo, tenho perfeita noçao daquilo que se ouve e do que não se ouve andando a ouvir música com phones: estando eu na estação da Campanhã (Porto) - que me é um ponto de passagem comum -, parado á beira da linha enquanto espero pelo comboio, não oiço as conversas das pessoas em meu redor, não oiço o transito de automoveis ao lado da estação, oiço mal os anuncios de rádio que são transmitidos pela estação....mas se há coisa que, apesar do volume elevado dos phones, consigo ouvir, são os comboios! E eu até oiço mal do meu ouvido esquerdo!
Posso tar com o volume no máximo, mas o raio dos apitos dos comboios ao chegar á estação teimam sempre em interromper os meus sounds (yo -_-).

Voltemos então á jovem que, tragicamente, morreu. Aparentemente estava a caminhar na linha de comboio, á noite (não foi?), ouvindo música! Nas noticias nunca se referiu que a rapariga tinha problemas de audição, logo, eu pelo menos, tenho de concluir que ela teria de conseguir ouvir os apitares do comboio, por mais elevado que estivesse o volume dos phones! Ela precisaria de ter duas colunas enormes encostadas á cabeça para não ouvir o raio do comboio a chegar!

Mas mais intrigante que tudo isto é o seguinte: porque raio é que uma rapariga iria ouvir música a altos berros enquanto passeava numa linha de comboio?!! O qué que ela estava a ali a fazer?! Segundo pude constactar, ela não estava a atravessar a linha, estava mesmo a percorre-la!

Devo ser eu que sou um gajo muito romantico ou com uma mente muito trágica, mas tendo tudo em conta, parece-me muito mais provável que este "acidente" tenha na verdade, sido um acto suicida!

Não acham?! Não sei quanto a voces, mas para mim é-me extremamente fácil de imaginar uma jovem, infinitamente triste, infeliz e perturbada, a querer pôr termo á vida desta forma. O que não falta em Portugal são pessoas, que para se suicidarem , se atiram á linha!
Ela provavelmente iria a ouvir a sua música favorita ou algo do género, e faria-o também, provavelmente, para atenuar o som do comboio e assim resistir o tempo sufeciente em cima da linha para o comboio a levar.
A mim parece-me algo de extremamente plausivel e provável. De facto, parece-me um text book case!

Agora a cena que me perturba bué, é que nunca (que eu tenha ouvido pelo menos), nas noticias, sequer mencionaram a hipotese de suicidio! Porquê?! Puro e simplesmente ninguem se lembrou?! Mas o qué que se passa com esta gente?! "Oh ya, ela estava a passear na linha de comboio, a ouvir musica, num acto quotidiano perfeitamente normal, e não conseguiu ouvir os apitos do comboio que acabou por mata-la." O.o
E além disto....não se lembraram da hipotese de suicidio, mas o telejornal da SIC, inclusive, deu-se ao trabalho de fazer uma reportagem sobre os maleficios da utilizaçao de phones no dia a dia a propósito deste "acidente"!! WTF?!!

Enfim, a noticia já passou, e provavelmente não voltará a ser mencionada nas noticias, mas eu andava com esta cena cá dentro e tinha de deixar sair o que pensava acerca do assunto.
Está feito...

Sem comentários: